Testemunhos

Tamanho de letra 


Manuela Figueiredo

A responsabilidade dos textos publicados nesta secção é integralmente atribuída aos respectivos autores não podendo a APDPróstata ser de forma alguma responsabilizada pelo conteúdo dos mesmos

“O mundo começou a fugir-me debaixo dos pés… Durante alguns minutos revi a minha vida… Pensei no meu marido… nos nossos filhos… em mim… Senti que não ia aguentar… Foram os piores momentos de toda a minha vida! ”

Foi assim que me senti quando tive conhecimento que o meu marido estava com um cancro na próstata. Não sabia o que fazer. Mal conhecia a doença. Tudo o que sabia, e era suficiente para me assustar, é que o cancro tinha entrado em nossa casa.

Passados uns minutos, percebi que tinha de reagir e ser um pilar importante – o melhor de todos – na fase difícil das nossas vidas que se havia iniciado e que tínhamos de enfrentar com serenidade e confiança. E foi o que fiz.

Junto de um excelente médico obtivemos o esclarecimento necessário para a decisão que tínhamos de tomar, a escolha do tratamento mais adequado à situação. Optámos por um tratamento que, em princípio, terá sido curativo, assumindo, conscientemente, o risco dos possíveis efeitos secundários decorrentes dessa opção.

Neste site, através da leitura dos testemunhos de outros doentes e de outra informação, encontrei o primeiro momento de conforto e confiança.

Não foi fácil, mas juntos e sustentados numa equipa médica, competente e humana, ultrapassámos a primeira fase o que nos deu força para enfrentar as próximas etapas deste processo.

Passados oito meses desde que tomámos conhecimento da doença, estamos a gerir o melhor possível a nossa vida e as nossas emoções. Temos altos e baixos, oscilamos entre a confiança e a apreensão, sobretudo, quando de 3 em 3 meses, fazemos os exames de controlo. Contudo, a nossa vida está a regressar à normalidade e continuamos a fazer bons projectos para o futuro.

Curiosamente, a vida hoje tem outro sabor para nós. Começámos a apreciar e desfrutar mais das “pequenas coisas da vida”, que afinal podem ter tanta importância e dar tanto prazer, e a valorizar aspectos que, até então, quase nos passavam despercebidos, na correria do dia-a-dia. E a vida toma outro sentido.

Aprendi com esta experiência que o rastreio é fundamental para um diagnóstico precoce e para uma cura efectiva, que em muitos casos é possível.

O apoio e colaboração da mulher em todo o processo são absolutamente estruturantes na recuperação da família, em especial do marido, numa doença como esta.