I.P.S.S. – Instituição Pública de Solidariedade Social

Linha de Apoio
918 075 035

Segunda a Sexta das 15 às 18 horas

Início

A Associação

A Próstata

Testemunhos

de doentes

António Pereira Pinto
António da Fonseca Reis
Adriano Pinhal
Carlos Baptista
Fernando Albuquerque
J. M. Felgueiras
José Luís Teixeira
Luís Corte Real
Manuel Nunes e Sá
Vítor Ferreira

de médicos

Prof. Dr. Miguel Srougi

De Mulher para Mulher

Movember

Actividades

Livros e Publicações

Sites Recomendados

Benefícios
aos associados

Contactos

Testemunhos


Adriano Pinhal
Despachante – Porto

Nasci em 1939, época de turbulências, II Guerra Mundial, carências alimentares, muitas dificuldades para as famílias mais humildes, onde eu estava inserido, enfim uma vida de muito sofrimento. Tive muitos problemas de saúde na infância, fui operado a uma apendicite aguda, talvez fruto de carências alimentares vividas.

A partir dos meus 20 anos a vida sorriu-me! Trabalhava de dia, estudava à noite, adquiri resistências às doenças que antes me afligiam, pratiquei desporto – futebol e atletismo – e tudo fez crescer em mim um sentimento de “imunidade” conseguida.

Idas ao médico? A falta de pachorra em visitar o médico sempre me manteve longe deles.

E cheguei aos 60 anos! Já tinha ouvido falar da necessidade de vigiar a próstata… do toque rectal… mas sempre pensava “isto não me acontece a MIM”! De tanto ouvir falar lá fui um dia a um urologista. Toque rectal, exame à bexiga, análises, mas estava tudo dentro dos limites aceitáveis. Conselho do médico: volte de 6 em 6 meses. No princípio ainda fui, mas depois…deixei de ir. O tal sentimento da “imunidade” ainda estava no meu íntimo.

 

 

Cerca de 3 anos mais tarde, soube de um amigo meu que faleceu de uma doença na próstata. Fui de imediato ao médico. Novamente passei por todos os exames e no final houve necessidade de uma biopsia. E lá estavam os indícios de carcinoma na próstata.

Foi uma grande e desagradável surpresa. Não queria acreditar. Foi-me aconselhado a operação de prostatectomia radical. Falei com a família, obtive todo o apoio e 30 dias depois fui operado. Após um mês de convalescença com as vicissitudes habituais (uso de fraldas por exemplo), comecei a habituar-me a fazer caminhadas diariamente, melhorei a minha alimentação e fazia exercícios diários de contracção da bexiga para controlo de urina. Hoje, passados mais de 2 anos, tenho uma qualidade de vida boa, não necessitei de recorrer a radioterapia ou quimioterapia e quase não tomo medicamentos. Ainda fui a tempo. Mas sei de outros que se atrasaram. Não seja um desses. Vá ao médico! Vigie a sua próstata!

 

Associação afiliada de:

Com a parceria de:

Segue-nos no Facebook

Design João Pita Groz